Site Oficial MRE

www.ieadmre.com

sábado, 1 de julho de 2017

Pr. Ciro explica se o tabaco é ou não pecado

Há alguns dias, senti-me estimulado a responder à pergunta acima depois de ter conversado com o meu amigo Eli Felete, pastor-presidente da Assembleia de Deus Ministério Rocha Eterna, de Lisboa, Portugal. Muitos irmãos em Cristo, inclusive pastores, ficam inculcados com o fato de eminentes cristãos do passado terem supostamente apreciado o fumo e com a não ocorrência de mandamentos que tratem especificamente do ato de fumar.

Em primeiro lugar, não existe mesmo um mandamento bíblico específico a respeito do uso do tabaco, como “Não fumarás”. Também não está contido em Apocalipse — e em nenhuma outra parte das Escrituras! — o versículo que muitos citam para combater o vício: “Os viciados não herdarão o reino de Deus”. Mas precisamos ter em mente que a Bíblia é um livro de mandamentos gerais e específicos, bem como de princípios.

Há uma tendência mundial de se opor ao tabagismo e restringi-lo em lugares públicos. Os ministérios da saúde de diversos países não têm medido esforços para alertar a população acerca dos riscos de ingerir as substâncias tóxicas contidas na chamada “chupeta do demônio”. Segue-se que o ato de fumar, além de causar mal à saúde, tem uma péssima fama e não passa no teste de Filipenses 4.8. Além disso, e consequentemente, fumar é uma ação contrária ao mandamento de 1 Tessalonicenses 5.22: “Abstende-vos de toda aparência do mal”. Em outras palavras, o cristão deve evitar o pecado e tudo o que parece pecado.

Conquanto não haja proibição expressa ao ato de fumar, nem todas as coisas lícitas (não proibidas) convêm ao salvo em Cristo (1 Co 6.12). Considerando que: (1) o consumo de tabaco gera dependência e, como se sabe, é prejudicial à saúde; (2) o cristão é templo do Espírito Santo (1 Co 6.19,20); e (3) a Bíblia diz que aquele que destrói esse templo, Deus o destruirá (1 Co 3.16,17), podemos concluir que o ato de fumar não é conveniente ao servo do Senhor.

Apesar de não haver na Bíblia mandamentos específicos a respeito do fumo, existem princípios e mandamentos gerais que condenam o ato de fumar. Mesmo não havendo no texto sagrado o mandamento “Os viciados não herdarão o reino de Deus”, o servo do Senhor que se preza sabe que qualquer tipo de vício não se coaduna com uma vida de comunhão com Deus (Jó 11.11; Dn 6.4).

Na relação das obras da carne mencionam-se a prostituição, a glutonaria, as bebedices, várias outras obras e “coisas semelhantes a estas” (Gl 5.19-21). É evidente que o ato de fumar é uma dessas “coisas” similares àquelas que destroem o templo do Espírito Santo. Qualquer ação consciente por parte do cristão que venha a destruir o seu corpo, que é templo do Espírito, trata-se de uma das obras da carne. E, segundo a Bíblia, “não herdarão o reino de Deus os que tais cousas praticam” (v.21, ARA).

Portanto, fumar hoje, principalmente, é um ato antissocial, feio, prejudicial à saúde e, acima de tudo, pecaminoso, à luz dos mandamentos e princípios gerais das Escrituras. Mas, se algum apreciador de cachimbo, charuto ou cigarro que se diz cristão me achar legalista, que reclame com o Autor da Palavra de Deus! É Ele quem nos ordena a sermos santos em toda a nossa maneira de viver (1 Pe 1.15), não é mesmo?

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi


http

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

[Blog do Ciro] ® : Grupo de humor zomba de Jesus e da fé católica, e ...

Boa parte da grande mídia (como o portal UOL e o jornal Folha de S. Paulo), que há poucos dias estava endeusando o papa Francisco, demonstrando respeito aos católicos e pregando a tolerância religiosa, agora está promovendo um vídeo extremamente ofensivo, que escarnece de Jesus Cristo e da fé católica! Ou será que o fato de o Filho de Deus "aparecer" na genitália de uma humorista, enquanto outros humoristas — representando freiras e fiéis católicos — se emocionam e acendem velas diante da cena "ginecológica", não é blasfemo e ofensivo?!

O interessante é que, há pouco tempo, Rafinha Bastos fez uma piada grotesca a respeito de Wanessa Camargo, ao dizer que praticaria conjunção carnal com ela e seu bebê (ela estava grávida), e foi chamado de "o rei da baixaria" pela grande mídia — além de ter sido processado pela cantora e ver algumas portas se fecharem. Lembremo-nos, também, de que Danilo Gentili fez piada com o Holocausto, e foi igualmente reprovado pela grande mídia, a ponto de ter sido chamado de energúmeno por um colunista.

Onde está a indignação da grande mídia contra o grupo Porta dos Fundos, que fez a aludida brincadeira de mau gosto? Por enquanto, UOL, Folha de S. Paulo e outros veículos formadores de opinião, além de promoverem ainda mais o material altamente ofensivo e escarnecedor — repito —, ainda se deram ao trabalho de escrever contra os "fundamentalistas evangélicos", haja vista estes terem tido a coragem de protestar contra o vídeo...

O senhor Tony Goes, colunista de um site da Folha de S. Paulo, por exemplo, contrapondo-se à crítica de um famoso deputado federal ao aludido vídeo do grupo de humor Porta dos Fundos, escreveu: "Em países onde existe uma verdadeira liberdade de expressão, não é pecado nem crime tirar sarro da fé dos outros (ou mesmo da ausência de fé)". Ora, por que, então, nesses mesmos países, não se pode opinar sobre o homossexualismo?! Têm a grande mídia e o ativismo gay — evangelicofóbicos — respeitado a liberdade expressão?!

Se humoristas e comediantes do mundo todo escarnecem de Jesus Cristo, do cristianismo e dos evangélicos, em razão de estes serem, supostamente, fundamentalistas e fanáticos, por que os tais zombeteiros também não zombam dos fanáticos e fundamentalistas muçulmanos, os quais, aliás, opõem-se ao homossexualismo? Por que o grupo Porta dos Fundos não faz gozações extremadas com Mohamad (Maomé), o Alcorão e o islamismo? Afinal, humoristas e comediantes costumam dizer que o humor não deve ter censura. E afirmam que os religiosos precisam aprender a respeitar a liberdade de expressão... Vão em frente, engraçadinhos de plantão! Ousem ridicularizar o profeta do Islã! Façam o mundo rir de suas "maravilhosas" piadas!

Francamente, não vale nem a pena alimentar essa polêmica e escrever mais linhas sobre o assunto... Vou parar por aqui. Entretanto, como o grupo de humor foi longe demais ao zombar de Jesus Cristo, espero que seus membros entrem pela porta da graça e do arrependimento em tempo oportuno. Caso contrário, sairão, literalmente, pela porta dos fundos... #ProntoFalei.

Ciro Sanches Zibordi

sexta-feira, 24 de maio de 2013

MÍDIA EVANGELICOFÓBICA

MÍDIA EVANGELICOFÓBICA
Ciro Sanches Zibordi

Sou um crítico ferrenho das heresias verificadas no meio evangélico, especialmente a falaciosa Teologia da Prosperidade. Oponho-me de maneira contundente à conduta e à postura de pseudopastores e falsos profetas que se valem da ingenuidade do povo para enganá-lo. Quem já leu meus livros — especialmente "Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria" e "Erros que os Pregadores Devem Evitar" — sabe do que estou falando.

Entretanto, por que a grande mídia tem dado destaque exagerado, hiperbólico, desproporcional, a qualquer episódio envolvendo desvios — ou supostos desvios — de pastores evangélicos, em detrimento de assuntos mais relevantes? Por exemplo, ela deu grande destaque à ascensão de Marco Feliciano à presidência da CDHM, mostrando toda a sua indignação. Mas pouco falou dos "mensaleiros" que assumiram a muito mais importante CCJ. Por quê?

O assunto do momento é a prisão de Marcos Pereira. É evidente que esse pastor não é perfeito. Eu mesmo já critiquei a sua conduta midiática e imodesta, contrária à simplicidade do Evangelho. Mas a grande mídia, ignorando os princípios do bom jornalismo, já fez o seu julgamento e condenou o pastor, ignorando que ainda os fatos precisam ser apurados com maior precisão. O interessante é que a principal emissora brasileira estava presente no exato momento da prisão de Pereira! Como assim?

Voltando à pergunta inicial, por que a grande mídia se interessa tanto por assuntos negativos envolvendo evangélicos, dando a eles mais destaque do que a outros de maior relevância? Porque ela, de maneira geral — estou convencido disso —, é evangelicofóbica e conivente com certos movimentos igualmente evangelicofóbicos, inclusive religiosos, os quais veem o evangelicalismo como uma grande ameaça aos seus propósitos.

Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Decreto


Preparação do CD Decreto - Quarteto Rocha Eterna.

O CD foi lançado em dezembro de 2010.

Parabéns Ana, Alessandra, Juliana e Hester.

Continue assim; humildes e louvando ao Pai Celeste com sinceridade.

Em Cristo Jesus,

Jeancarlo Figueiredo